Pular para o conteúdo

A impressionante hipótese do “general intellect”, por Yann Moulier-Boutang

No que se chama de “fragmento sobre as máquinas”, retirado dos Manuscritos de 1857-1858 (ou Grundrisse), Marx não evoca a gênese da força de trabalho como mercadoria – como no Livro I de O capital (1867) -, mas todo o esquema da grande indústria. Isso se baseia no uso intenso de máquinas que atingiu seu pico. A descrição oferecida por Marx, muito argumentada e repetida para falar de um lampejo fugaz, é realmente surpreendente. A hipótese do intelecto geral foi surpreendente quando surgiram as primeiras traduções italianas (1967), francesas (1968) e depois inglesas (1973). Não deixa de surpreender hoje quando confrontado com o capitalismo que chamo de “cognitivo”, e que o vocabulário padrão chama de “a economia baseada no conhecimento”. Duas ideias heréticas.

 O que disse Marx? Ele formulou duas declarações heréticas em relação ao marxismo socialista que mais tarde afirmaria ser fiel ao seu trabalho. A primeira é que, com o desenvolvimento da grande indústria e da maquinaria, “a criação de riqueza depende menos do tempo de trabalho e da quantidade de trabalho empregado do que da potência dos agentes mecânicos que são acionados durante a duração do trabalho”, cuja força é desproporcional ao tempo de trabalho direto gasto em sua produção. O que significa que, tendo chegado a este estágio de desenvolvimento capitalista, a sacrossanta lei do valor não é mais e não deve mais ser usada como grade de leitura!

Alguns parágrafos depois Marx coloca os pingos nos “is”: “O roubo do tempo de trabalho alheio no qual se baseia a riqueza atual aparece como uma base miserável em comparação com a nova base, criada e desenvolvida pela própria grande indústria. Mesmo”. Assim que o trabalho, em sua forma direta, deixa de ser a grande fonte de riqueza, o tempo de trabalho cessa e deve deixar de ser sua medida. Da mesma forma, o valor de troca deixa de ser a medida do valor de uso.

A produtividade do trabalho, composta por toda a sociedade, torna irrelevante, insignificante, o que cabe à explicação pela lei do valor-trabalho. Não é uma etapa posterior (uma transição socialista que aplicaria rigorosamente a lei do valor) que libertaria do capitalismo, é o próprio desenvolvimento deste que torna a lei do valor obsoleta. Marx afirma que perdemos, por causa do próprio desenvolvimento da produção capitalista na grande indústria, o pressuposto lógico de que a lei do valor deve repousar na exploração da força de trabalho. Qual deve ser então o padrão de medição?

É aí que entra o segundo motivo de espanto. Ainda nos Manuscritos de 1857-1858, Marx acrescenta: a criação de riqueza e valor “depende antes do nível geral da ciência e do progresso da tecnologia ou da aplicação dessa ciência à produção. [.. .] A riqueza real agora se manifesta antes (e a grande indústria o revela), por um lado, pela monstruosa desproporção entre o tempo de trabalho utilizado e seu produto e, ao mesmo tempo, pelo desequilíbrio qualitativo entre o trabalho, reduzido a uma pura abstração, e o poder do processo de produção que ele supervisiona”. E ainda: “O excesso de trabalho das grandes massas deixou de ser a condição para o desenvolvimento da riqueza geral, assim como o não-trabalho de alguns deixou de ser a condição para o desenvolvimento das forças gerais do cérebro humano”.

Se ainda fosse preciso ser mais claro, Marx acrescenta que é o tempo do não-trabalho, o tempo de lazer liberado pela enorme produtividade da atividade que está na origem da riqueza. O tempo de trabalho é usado principalmente para monitorar e controlar máquinas.

Quais são o “nível geral da ciência” e sua aplicação à produção, bem como as “forças gerais do cérebro humano” que Marx evoca? A ciência não é uma produção que exige muito capital, que vem ele mesmo da mão-de-obra excedente extraída a montante dos trabalhadores, técnicos e engenheiros? E todo trabalho complexo não vem de uma soma de trabalho simples contado em horas?

A ideia de Marx, que mais uma vez parte de uma sociedade capitalista plenamente desenvolvida, é que o crescimento e a produtividade observados não dependem mais da simples soma dos capitais individuais que enfrentam o trabalho vivo para forçá-lo a trabalhar além do tempo necessário para sua simples reprodução. A execução da atividade, a reprodução da força de trabalho em composição, e mesmo a do sistema de máquinas supervisionadas e reguladas, produz um excedente que não é quantitativamente desprezível nem completamente apropriado pelo capitalista individual ou pela classe capitalista.

Para entender melhor o alcance da antecipação de Marx, tomemos o exemplo da polinização por abelhas. A atividade das abelhas, ao produzirem mel e cera, é exatamente a extração do trabalho excedente do apicultor que, como o empresário capitalista, graças aos favos instalados na colmeia, subtrai das abelhas o produto de seu trabalho destinado a sua alimentação e reprodução. Isso os obriga a produzir mais do que o trabalho necessário.

Mas na realidade de natureza complexa e muito mais sofisticada, se raciocinarmos em termos de valor econômico, o que produz infinitamente mais é a atividade de polinização que vale entre 250 e 1.000 vezes mais do que a produção. o mercado. Ao se limitarem a viver, as abelhas contribuem para a polinização da flora e, portanto, também para a reprodução da fauna.

A interação dos seres humanos que vivem em sociedade (incluindo a interação que vem da linguagem, das trocas simbólicas) tem uma produtividade imensa em comparação com a esfera comercial. Certamente, as interações humanas que produzem as ciências e as artes dependem de um equipamento de capital muito maior do que o equipamento que equipa as abelhas. Mas seu produto global e sistêmico é tão desproporcional quanto no caso das abelhas.

Resta uma última dúvida a ser afastada: essa hipótese de um intelecto geral, um “intelecto coletivo” que vai além da atividade cognitiva individual, se encaixa na teoria de Marx, em particular sobre a reprodução ampliada do capital, tal como aparece em Livros? II e III do Capital? Ou é uma intuição vislumbrada e rapidamente esquecida por ser utópica?

O intelecto geral é parte integral da teoria de Marx. Não é um rascunho ultrapassado por uma fase posterior de seu pensamento. Nos preços das mercadorias, já está incluído o custo de reprodução global do sistema capitalista: o custo da força de trabalho do mercado e o custo do tempo de folga participando do desenvolvimento da inteligência coletiva. Em outras palavras, no estágio de desenvolvimento ao qual o capitalismo industrial cognitivo o trouxe, o valor da polinização, que excede completamente o valor do trabalho comercial das abelhas, é assimilado a ele.

A espantosa previsão do intelecto geral de Marx é, portanto, menos para sugerir um colapso do capitalismo do que a possibilidade de uma “troca de mãos” do capital fixo. Este continua a ser um mecanismo complexo para perpetuar a relação de exploração. Mas à medida que a socialização avança, a produção acompanha o desenvolvimento de uma inteligência coletiva que se impõe como fator determinante da produção, toma a forma crescente de um poder objetivo e neutro criado pelo “coletivo cérebro humano”. Nisso, o capital fixo “real” não está mais nas mãos dos proprietários formais do capital.

Mas a exaltação dessa inteligência, aliada ao advento do digital, inventando um mundo novo e formas complexas de organização capazes de produzir o comum, o não mercado desenvolvendo o indivíduo altruísta, não é suficiente para produzir uma sociedade de justiça e abundância. Isso só pode vir de um projeto político que leve em conta a “produtividade da sociedade”. Caso contrário, esses desenvolvimentos participarão da nova economia do capitalismo cognitivo e serão apenas o novo instrumento para aumentar os lucros dos atuais detentores formais de capital fixo.

Texto acima foi publicado em Alternatives Economiques, em 2018.