Pare o jogo, eu quero sair!

‘Hedging’ era uma forma de reduzir o risco de compra ou venda. Os agricultores que aguardam a chegada da colheita não têm certeza sobre o preço por alqueire que conseguirão no mercado: eles vão obter um preço que lhes dê um lucro e um sustento para o próximo ano ou cairão na miséria? Para reduzir esse risco, os empreendimentos de hedge oferecem a compra antecipada da safra a um preço fixo. O agricultor tem garantido um preço e uma renda, independente do preço por alqueire no momento de ir ao mercado. O fundo de hedge assume o risco. Pode obter lucro comprando a safra a um preço abaixo do preço de mercado eventual. Desta forma, o ‘hedge’ pode suavizar a volatilidade dos preços, muitas vezes muito alta nos setores agrícola e mineral.

Todavia, nos mercados financeiros, o hedge e os fundos de hedge possuem uma função totalmente nova. Tornou-se um jogo, envolvendo bilhões do dinheiro de outras pessoas, transformando o mercado de bens e serviços em um cassino para apostas financeiras. Em meu post anterior, expliquei como o que Marx e Engels chamavam de “capital fictício” (ações e títulos) e seu suposto valor tinham pouca relação com o valor real dos lucros e ativos subjacentes das empresas.

O hedge financeiro toma mais ainda distância dos valores reais, pois os fundos de hedge não apenas compram ou vendem ações, em vez de investir em capital produtivo. Agora, eles apostam o que acontecerá com o preço de qualquer ação. Na “short selling” (1), um fundo de hedge toma emprestado ações de uma empresa de outros investidores (por uma taxa) e vende as ações no mercado a, por exemplo, $ 10 cada. Em seguida, espera até que caiam para $ 5 e depois os compra de volta. As ações emprestadas são devolvidas ao proprietário original e o fundo de hedge embolsa um lucro.

Nesse caso, a atividade aqui não é mais suavizar as mudanças de preços, apostando na queda ou alta dos preços. Os fundos de hedge na verdade prosperam com o aumento da volatilidade. (2) ‘Going long’ para aumentar o preço e ‘going short’ para baixar o preço é o nome do jogo. (3) Assim fazendo, os “vendedores a descoberto” podem, na verdade, levar as empresas à falência, com a perda de empregos e renda para milhares.

Nesse ano de COVID, enquanto a “economia real” entrou em colapso, aqueles com dinheiro de sobra e em busca de retorno (bancos, fundos de pensão, indivíduos ricos) investiram pesado no mercado de ações, muitas vezes usando dinheiro emprestado (a taxas próximas de zero de interesse). E esses grandes investidores colocaram muito de seu dinheiro em fundos de hedge e buscaram as chamadas “pessoas inteligentes” para ganhar dinheiro. Fizeram e continuam fazendo isso, e muito.

Mas também nesse ano da COVID, milhões de pessoas trabalharam em casa ou foram despedidas e tiveram suas economias poupadas, uma vez que não pudera gastar por causa de bloqueios e fim das viagens. Muitos se conectaram por meio de redes sociais como o Reddit para apostar na bolsa de valores.

Esses pequenos investidores passaram recentemente a se agrupar. Construíram um certo poder de fogo para enfrentar as grandes instituições em seus antros de jogos. Desde o início do ano, um grupo de corretores amadores, organizado no Reddit, tem jogado o mercado contra grandes fundos de hedge, que haviam vendido ações da GameStop: uma varejista de videogames com sede nos Estados Unidos. Esta empresa havia sofrido muito durante o ano da COVID e esperava-se que falisse. Os fundos de hedge se acumularam para “vender” as ações.

Mas os pequenos negociantes agiram de modo oposto; eles usaram seu poder de fogo para elevar o preço das ações, forçando os fundos de hedge, lastreados por grandes bancos e instituições, a recomprar as ações a preços mais altos à medida que o tempo se esgotava para suas apostas ‘curtas’ (são contratos por tempo fixo). Como resultado, vários fundos de hedge “vendidos” tiveram um prejuízo enorme (US $ 13 bilhões) e um fundo teve que ser resgatado por seus investidores no valor de US $ 2,75 bilhões.

Wall Street está furiosa. Os grandes de Wall Street gritam: os pequenos investidores ‘manipularam’ o mercado; estão ameaçando o valor dos seus fundos de pensão e colocando os bancos em risco. Isso é um absurdo, é claro. O que realmente mostra é que os mercados financeiros são “manipulados” pelos grandes e são os pequenos investidores que geralmente são os únicos que são “enganados”, ludibriados nesse antro de jogos de azar. Como disse Marx, o sistema financeiro “desenvolve o motivo da produção capitalista”, nomeadamente “enriquecimento pela exploração do trabalho alheio, no mais puro e colossal sistema de jogo e fraude e restringe ainda mais o já pequeno número de exploradores da riqueza social ”(Marx 1981: 572).

É claro que, na batalha atual, o pequeno investidor perderá no final. O regulador do estado de Massachusetts, William Galvin, já pediu à Bolsa de Valores de Nova York que suspenda o GameStop por 30 dias para permitir um período de reflexão. “Isso não é investimento, é jogo”, disse ele. Sem problemas! Os pequenos investidores já estão sentindo um aumento nas taxas e limites em suas negociações por corretores e criadores de mercado (os proprietários de cassinos) para impedi-los de negociar . E fala-se no topo de “regular” o mercado para impedir que os investidores “se unam” contra as instituições “legítimas” de Wall Street. O preço do GameStop agora está baixo.

Para os trabalhadores, todas essas travessuras podem parecer irrelevantes. Afinal, a maioria das famílias que trabalham tem pouca ou nenhuma participação nisso tudo. O 1% do topo das famílias possuía 53% da riqueza do mercado de ações dos EUA, com os 10% do topo possuindo 93%. Os 90% mais pobres possuem apenas 7%. No entanto, as pensões dos trabalhadores e contas de aposentadoria (se os trabalhadores as tiverem) são investidas por administradores de fundos de pensão privados em ativos financeiros (após deduzir polpudas comissões). Portanto, as economias que as famílias trabalhadoras possuem são vulneráveis ​​às atividades do jogo dos vigaristas no cassino financeiro – como o colapso financeiro global de 2007-8 mostrou. O que esta pequena história da GameStop mostra é que os fundos de pensão pessoais e corporativos administrados por “pessoas inteligentes” são realmente uma fraude para os trabalhadores. Faz-se necessários se ter pensões financiadas pelo Estado e não sujeitas à volatilidade do jogo financeiro. Os grandes fundos de hedge foram queimados nesta última escaramuça de alguns pequenos investidores e eles querem tirar esses lacaios do jogo. O que os trabalhadores deveriam querer é parar totalmente com esse jogo.

(1) Pode-se traduzir essa expressão por “venda a descoberto”. Não se está coberto, isto é, não se possui aquilo que se vende. É prática financeira que consiste na venda de um ativo ou derivativo que não se possui. Espera-se que seu preço caia para então comprá-lo de volta e lucrar na transação com a diferença. O próprio artigo explica isso.

(2) Volatilidade é a variabilidade, o variação de preços, sendo que calculá-la é saber em que momento é melhor comprar o vender uma ação

(3) Preferi não traduzir ‘going long’/’going short’, pois a expressão é própria do mercado financeiro e a própria frase no qual ela está é explicativa

Original: Stop the game – I want to get off!

Autor: Michael Roberts é economista e marxista britânico. Data: 28 de janeiro de 2021

Tradução: Paulo Ghiraldelli, 28/01/2021

2 comentários

  1. Professor Paulo, Duas palavras no seu vocabulário estão erradas: androginia e empoderar. No seu livro está grafado androgEnia e no vídeo de ontem ou hoje o sr repetiu empoNderar algumas vezes. Me constrange ter que lhe chamar atenção disso diante de seu trabalho gigantesco de educação da galere (rsrsrs) mas enviei o vídeo para uma pessoa. Para resumir, para quem não o conhece, este tipo de equívoco é suficiente para considerá-lo menos do que o sr é. Como estamos numa guerra, cada possibilidade de melhorar e trazer gente deve ser levada muito à sério, estou tentando fazer o que posso. É isso, desculpe a cara da pau rsrsrs Abraço Themis

    • Não fico bravo de ser corrigido. No livro, a culpa é do revisor. Você precisa falar em que livro é. No vídeo, é vício de linguagem que a gente faz o erro uma vez e não volta mais. Sou diferente de outros: eu sou corrigido e tento aprender. Aliás, meu blog é justamente para isso, eu tento corrigir aqui para não sair errado nos livros. Só que desta vez falhei até no livro!

Os comentários estão fechados.